Domingo, 9 de Dezembro de 2007

Jornal "noticias da escola"

Editorial

Sabias que a origem da Árvore de Natal em Portugal é uma longa história… Como o uso da árvore de Natal tem origem pagã, este predomina nos países nórdicos e no mundo anglo-saxónico. Nos países católicos, como Portugal, a tradição da árvore de Natal foi surgindo pouco a pouco ao lado dos já tradicionais presépios.

Em Portugal, a aceitação da Árvore de Natal é recente quando comparada com os restantes países. Assim, entre nós, o presépio foi durante muito tempo a única decoração de Natal.

Até aos anos 50, a Árvore de Natal era até algo mal visto nas cidades e nos campos era pura e simplesmente ignorada. Contudo, hoje em dia, a Árvore de Natal já faz parte da tradição natalícia portuguesa.

 

Uma canção…

Natal dos simples

Letra e música: Zeca Afonso

 

Vamos cantar as janeiras

Por esses quintais adentro

Vamos às raparigas solteiras

Muita neve cai na serra

Só se lembra dos caminhos velhos

Quem tem saudades da terra

Vamos cantar orvalhadas

Por esses quintais adentro

Vamos às raparigas casadas

Quem tem a candeia acesa

Rabanadas, pão e vinho novo

Matava a fome à pobreza

Vira o vento e muda a sorte

Por aqueles olivais perdidos

Foi-se embora o vento norte

Já nos cansa esta lonjura

Só se lembra dos caminhos velhos

Quem anda à noite à 'ventura

Pam-pararan-ri-rí

Pam-pararan-ri-ri

Pam, pam, pam, pam.

 

 

O Primeiro postal de Natal

 

O primeiro postal de Natal surgiu na Inglaterra, pelas mãos do pintor John Callcott Horsley (1817-1903), em Dezembro de 1843, a pedido de Sir Henry Cole (1808-1882), director do South Kensington Museum (rebaptizado, em 1899, de The Victoria and Albert Museum).

Sir Henry Cole era assistente no Public Records Office, para além disso era escritor e editor de livros e jornais. Cole escreveu livros sobre arte e arquitectura sob o pseudónimo de Felix Summerly, e fundou o jornal The Journal of Design. Este possuía, ainda, o Summerly's Home Treasury, através do qual eram publicados livros infantis, de entre as histórias publicadas contam-se "Cinderela", "João e o pé de feijão" e  "A Bela e o Monstro", entre outros.

No Natal, Sir Henry escrevia cartas aos seus familiares, amigos e conhecidos, desejando-lhes Boas Festas. Contudo, devido ao seu trabalho, este tinha pouco tempo para escrever tantas cartas. Assim, ele (tal como todas as outras pessoas que escreviam cartas de Boas Festas) comprava papel de carta decorado com motivos natalícios ou então, comprava postais de festas genéricos, nos quais se podia acrescentar a festa de que se tratava. Perante isto, Sir Henry pediu a  Horsley para lhe criar um postal com uma única mensagem que pudesse ser duplicada e enviada a todas as pessoas da sua lista.

Estes postais ilustravam uma família em festa durante o Natal e brindavam ao seu amigo ausente (ao qual o postal era dirigido) com um copo de vinho tinto. Em cada um dos lados do postal tinha imagens de actos de caridade "vestir os desnudados" e "alimentar os pobres". Contudo,  a imagem central da família brindando causou grande controvérsia, sendo alvo de várias críticas já que ver crianças a beber um pouco de vinho era considerado como um fomentar da corrupção moral nas crianças. Perante isto, os postais foram  retirados de venda.

 

 

Anedota…

 

Estavam uns garotos a brincar no pátio da igreja por alturas do Natal. Até que um deles sem querer esbarra num dos bonecos do presépio e parte-o. Passado um bocado chega o padre:
- Quem é que partiu o pastor?
Todos ficam muito calados até que depois de muita insistência o culpado se acusa.
- Então tens de pagar o estrago.
- Eu não tenho dinheiro senhor padre.
- Então paga o teu pai.
- Eu não tenho pai.
- Paga a tua mãe!
 – Também não tenho mãe...
 – Então não tens ninguém? És sozinho no mundo?
 – Não! Eu tenho uma irmã mais velha.
- Pronto paga ela.
- Ela também não pode pagar, não tem dinheiro. É freira.
- Não se diz freira; diz-se esposa de Cristo.
- Ah, então o meu cunhado que pague!...

 

Uma receita

 

Rabanadas ou Fatias paridas

 

Ingredientes:

1 pão de véspera (cacete ou de forma)
3 dl de leite
4 ovos
300g de açúcar
canela
1 casca de limão
óleo para fritar
1 vagem de baunilha

 

Preparação:

 

Leva-se o leite e ferver com 2 colheres de sopa de açúcar, a casca de limão e a vagem de baunilha. Batem-se os ovos muito bem, de modo que a clara fique imperceptível. Corta-se o pão em fatias com cerca de 1,5 cm e passam-se primeiro pelo leite e depois pelos ovos. Fritam-se em óleo bem quente e escorrem-se sobre papel absorvente ou sobre um pano. Servem-se polvilhadas com açúcar e canela ou com calda de açúcar.


Nota: Se desejar em vez de polvilhar com açúcar e canela ou com calda de açúcar, pode fazer leite-creme e deita-lo na barriga das rabanadas.

 

O Pai Natal

 

O Pai Natal é associado à ideia de um homem já com uma certa idade, gorducho, de faces rosadas, com uma grande barba branca, que veste um fato vermelho e que conduz um trenó puxado por renas que conseguem voar mesmo não tendo asas. Segundo a lenda, na noite de Natal este simpático senhor visita todas as casas, desce pela chaminé e deixa presentes a todas as crianças que se comportaram bem durante todo o ano.

A personagem do Pai Natal baseia-se em S. Nicolau e a ideia de um velhinho de barba branca num trenó puxado por renas (o mesmo transporte que é usado na Escandinávia) foi introduzida por Clement Clark More, um ministro episcopal,  num poema intitulado de "An account of a visit from Saint Nicolas" (tradução: Um relato da visita de S. Nicolau)   que começava de seguinte modo “'The night before Christmas” (que em português significa "Na noite antes do Natal"), em 1822. More escreveu este poema para as suas filhas e hesitou em publicá-lo porque achou que dava uma imagem frívola do Pai Natal.

 

 

Contudo, uma senhora, Harriet Butler, teve acesso ao poema através do filho de More e decidiu levá-lo ao editor do jornal Troy Sentinel, em Nova Iorque, o qual publicou o poema no Natal do ano seguinte em 1823. A partir daí, vários jornais e revistas publicaram o poema, mas sempre sem se mencionar o seu autor. Só em 1844, é que More reclamou a autoria do poema!

  

Sabiam que…

 

História do Bolo-rei

 

Os romanos costumavam votar com favas, prática introduzida nos banquetes das Saturnais, durante as quais se procedia à eleição do Rei da Festa, também chamado Rei da fava. Diz-se que este costume teve origem num inocente jogo de crianças, muito frequente durante aquelas festas e que consistia em escolher o rei, tirando-o à sorte com favas.


O jogo acabou por ser adaptado pelos adultos, que passaram a utilizar as favas para votar nas assembleias.


Como aquele jogo infantil era característico do mês de Dezembro, a Igreja Católica passou a relacioná-lo com a Natividade e, depois, com a Epifania, ou seja, com os dias 25 de Dezembro e 6 de Janeiro.


A influência da Igreja na Idade Média determinou a criação do Dia de Reis, simbolizado por uma fava introduzida num bolo, cuja receita se desconhece.
 

De qualquer modo, a festa de Reis começou muito cedo a ser celebrada na corte dos reis de França.

 

O bolo-rei teria surgido no tempo de Luís XIV para as festas do Ano Novo e do dia de Reis. Vários escritores escrevem sobre ele, e Greuze celebrou-o num quadro, exactamente com o nome de Gâteau des Rois.


Com a Revolução Francesa, em 1789, este bolo foi proibido. Só que os confeiteiros tinham ali um bom negócio, e em vez de o eliminarem, passaram a chamar-lhe Gâteau des sans-cullottes.


Em Portugal, depois da proclamação da República, não chegou a ser proibido, mas andou lá perto.

 

Com excepção desse mau período, a história do bolo-rei é uma história de sucesso, e hoje como ontem as confeitarias e pastelarias não se poupam a esforços na sua promoção

 

Mensagem de Natal

A equipa responsável pela edição mensal do notícias da escola deseja a todos os leitores…

Um Feliz Natal

e um

Bom Ano de 2008.

 

publicado por utmessines às 14:27
link do post | comentar | favorito

.QUEM SOMOS

.PESQUISA

 

.Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.ÚLTIMOS

. Fim do Blog

. DIA INTERNACIONAL DA FAMÍ...

. VISITA DE ESTUDO À ERMIDA...

. POEMAS COM IMAGINAÇÃO

. A APANHA DAS FAVAS

. DIAS ESPECIAIS EM ABRIL

. Segunda feira

. Segunda feira

. Terça feira

. Segunda feira

. Quinta feira

. Quarta Feira

. NVA

. Sexta

. Aniversário

. Cestos com jornais

. Ano Lectivo 2012/13

. Junho 2012

. Maio 2012

. Jogo de Pista

. CULINÁRIA

. Carnaval

. CHUVA EM MESSINES

. QUARTA FEIRA

. Ano lectivo 2011/12

. Intercâmbio NVA e Casa do...

. FIM DA ESCOLA

. PALAVRAS

. CARROS

. LP

. Fichas

. VERA

. RODOLFO

. FELIZ NATAL

. ÁRVORE DE NATAL

. MERCADO

. COMPUTADOR

. ANO LECTIVO 2010/2011

. Fim de ano

. Eu

. Favas

. CENTRO DE RECURSOS

. Vender

. CREE

. visita de estudo

. 1. Remexido nº 2

. 1. Remexido nº 2

. 2. Remexido nº 2

. JORNAL: o remexido

. JORNAL: "o remexido"

.ARQUIVOS

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.SUGESTÕES

blogs SAPO

.subscrever feeds